Linguagem PHP: 3ª Parte (Criando o Banco de Dados no phpmyadmin) – Criando uma Agenda de Contatos.


Criando uma Agenda de Contatos – Criando o Banco de Dados no phpmyadmin

Jbwebmaster João Batista Dantas Bezerra Júnior

Olá pessoal, seguindo a sequência do tutorial, vamos criar o banco de dados. Para isso vamos usar o phpmyadmin que já vem no próprio xampp ou wampp, verá que é bem simples de usar e que também é bastante completo, não ficando pra traz de nenhum outro programa para criação de banco de dados.

Para começar digite no seu navegador localhost/phpmyadmin/, seguida na tela inicial você já poderá digitar o nome do banco de dados que desejar, no nosso caso será agendatel tudo junto e minúsculo, além disso você deverá escolher a collate utf8_unicode_ci , pois é um padrão internacional que suporta 65 mil caracteres, permitindo considerar todos os diferentes caracteres de todos idiomas falados no mundo. Deverá ficar assim:

Tela inicial do phpmyadmin, nome do banco de dados.

Feito isso vamos criar a primeira tabela chamada de agenda e que possui 5 campos, do jeito que está na imagem:

Criando a Tabela Agenda.

Agora vamos dar nomes aos campos e configurar seu tipo, tamanho, se é not null ou nul, auto_increment e etc. Feito o que está na imagem clique no botão salvar.

Nomeando as campos e configurando!

Criando a tabela menu que possui 4 campos.

Tabela Menu

Agora configurando essa tabela do mesmo modo que fizemos com a tabela agenda.

Nomeando e configurando os dados da tabela menu.

Pronto seu banco de dados está criado, agora precisa apenas inserir os dados na tabela menu, no nosso caso temos apenas dois link, então para não perder tempo vou mostrar como você poderá preencher os campos com seus respectivos valores, porém vou importar os dados executando na query do phpmyadmin.

Bem para colocar os dados um a um você clica na aba inserir e em seguida digita os dados:

Inserindo dados na tabela.

Para importar usando a query do phpmyadmin vá até a aba sql, digite ou copie e cole o código abaixo:

INSERT INTO `menu` (`id`, `nomeMenu`, `link`, `title`) VALUES
(null, 'Cadastrar um Número', 'CadAgenda.php', 'Cadastrar Números na agenda.'),
(null, 'Números da Agenda', 'ListaAgenda.php', 'Listar  os Números da Agenda');
Inserindo os dados na tabela menu usando a aba sql.

Bem agora até o próximo post, valeu!

Linguagem PHP: 2ª Parte (Classe para inserir, deletar e atualizar) – Criando uma Agenda de Contatos.


Criando uma Agenda de Contatos – Classe para inserir, deletar e atualizar.

Jbwebmaster João Batista Dantas Bezerra Júnior

Olá pessoal, continuando o tutorial, vamos desenvolver a classe que realizará a manutenção do sistema, sendo a responsável por inserir, deletar e atualizar. Nesse tutorial iremos intender, dentre várias instruções, o conceito de ter uma classe abstrata.

  • Crie uma classe chamada Modelo.class.php no diretório Classes.
  • O nome da classe será Modelo (class Modelo { } ).

Agora vamos a sua construção:

Para começar, vamos precisar estender a classe Conexao, para isso chamamos a instrução include_once, que além de incluir o arquivo somente uma vez ainda avalia-o, depois do nome da classe usamos extends em seguida Conexao. Mais informações. Ficando assim:

abstract class Modelo extends Conexao { }

Entendendo quando usar a palavra chave abstract:

Usamos uma classe abstrata sempre que precisamos utilizar seus métodos mais vezes e para vários objetos, dessa forma ao invés dela servir a um único propósito ela pode ser generalizada e usada para outros objetivos. De acordo com a Caelum, usamos a palavra chave abstract também para impedir que ela possa ser instanciada. No nosso caso, a classe Modelo é abstrata, pois podemos usar em várias outras classes seus métodos para inserir, deletar e atualizar, servindo de molde para todas as classes que a herdarem e para evitar o erro de tentar instancia-la. Como por exemplo, você possui a classe Vectra e Palio sendo que os dados comuns a essas classes poderiam ficar numa classe chamada Carro, dessa forma a classe Carro seria abstrata e as outras herdam dela os dados comuns:

exemplo de classe abstrata

Como deve estar até agora:

/*
 * ******************************************************************************
 *    JBWEBMASTER - CLASSE MODELO PARA MANIPULAÇÃO COM O BANCO DE DADOS        *
 *                AUTOR: JOAO BATISTA DANTAS BEZERRA JUNIOR                    *
 *                E-MAIL: jbtrab@gmail.com                                     *
 *                        DATA: 18/12/2010                                     *
 * *****************************************************************************
 */

include_once("Conexao.class.php");

abstract class Modelo extends Conexao { }

Feito isso, vamos construir o método que verifica a chave primária, para quem não sabe o que significa, chave primária corresponde a um campo ou mais da tabela do banco de dados em que seus valores nunca se repetem, sendo geralmente o identificado da tabela em questão (ID), deixando essa linha única.

Para a construção desse método se faz necessário os conceitos:

  • get_object_vars – Retorna uma matriz associativa com as propriedades do objeto (Manual PHP).
  • Foreach – funciona somente com arrays, e lançará um erro se tentar utilizá-lo em uma variável de qualquer tipo diferente ou em variáveis não inicializadas. O foreach varre uma matriz e em cada iteração atribui um valor avançando seu ponteiro interno para o próximo elemento (apostilas.fok).
  • If – é um estrutura de controle que permite a execução de parte do código.
  • Array – Um array no PHP é atualmente um mapa ordenado. Um mapa é um tipo que relaciona valores para chaves. Este tipo é otimizado de várias maneiras, então você pode usá-lo como um array real, ou uma lista (vetor), hashtable (que é uma implementação de mapa), dicionário, coleção, pilha, fila e provavelmente mais. Como você pode ter outro array PHP como um valor, você pode facilmente simular árvores (Manual PHP).

Vamos chamar nosso método de chavePrimaria, public function chavePrimaria() { }, criamos uma variável para saber em que posição do loop vai estar que é $c, a variável $var receberá as propriedades da classe em questão assim: $var = get_object_vars($this); . Agora construímos um loop através do foreach, pois se trata de um array, dessa forma em cada iteração verificamos se na primeira posição do valor emitido pelo loop a $nome, se possui um _ (anderline) e se $c for zero (0), então a variável $cp (chave primária) recebe o valor de $nome.

Chave primária:

    /**
     * FUNCAO USADA PARA RETORNAR A CHAVE PRIMARIA DA TABELA.
     * @return UMA STRING COM O ATRIBUTO CHAVE PRIMARIA.
     */
    public function chavePrimaria() {
        $c = 0;
        //vai pegar nomes e conteudos das propriedades dos objetos
        $var = get_object_vars($this);
        foreach ($var as $nome => $valor) {
            //SE A PRIMEIRA POSICAO FOR UM ANDERLINE E
            // O $c ESTIVER NA PRIMEIRA POSIÇÃO (ZERO) ENTÃO É UMA CHAVE PRIMARIA
            if ($nome[0] == "_") {
                if ($c == 0) {
                    $cp = $nome;
                }
            }
            $c++;
        }
        return $cp;
    }

Agora vamos construir o método para inserir os dados no banco de dados MySql, sendo necessário conhecer:

OBS: Só colocarei o que ainda não estudamos até agora, então fique atento e caso queira saber dos demais, volte e leia as informações do outros métodos.

Manual PHP:

  • strtolower – Converte uma string para minúsculas.
  • get_class – Retorna o nome da classe de um objeto.
  • strlen – Retorna o tamanho de uma string.
  • Deve conhecer um pouco de SQL.

Chame o método de inserir, public function inserir() { }, a variável $var irá receber as propriedades da classe ($var = get_object_vars($this);), iniciamos a construção do sql: $sql = “INSERT INTO ” . strtolower(get_class($this)) . ” (“; , veja que o nome da classe será a que estiver instanciada, dessa forma o get_class retorna o nome da classe instanciada e o strtolower transforma tudo em minúsculos. Continuando a instrução sql agora temos que passar as variáveis, para isso foi utilizado o foreach e instruções de controle if, os dois juntos vão retornar todas as variáveis da classe em questão, o problema fica no final que receberia aspas simples e um sinal de virgula a mais. Para resolver esse problema foi utilizado strlen que retorna o tamanho da string e substituímos os últimos caracteres para vazio.

Terminado essa etapa instanciamos a classe Conexão, chamamos o método conectar, executamos o sql que foi feito e desconectamos.

Inserir:

/**
     * FUNCAO PARA INSERIR OS DADOS NO BANCO DE DADOS
     */
    public function inserir() {

        $var = get_object_vars($this);
        //CONSTRUINDO A INSTRUÇÃO SQL
        //UTILIZANDO strtolower PARA DEIXAR TUDO EM MINÚSCULO
        //get_class($this) PEGA A CLASSE ATUAL, QUE FOI INSTANCIADA
        $sql = "INSERT INTO " . strtolower(get_class($this)) . " (";
        foreach ($var as $nome => $valor) {
            //VERIFICANDO SE É CHAVE PRIMÁRIA - $nome[0] != "_" - CASO NÃO
            //CONTINUA A CONCATENAR OS $campos .= "$nome,"; E $valores .= "$valor','";
            if ($nome[0] != "_") {
                $campos .= "$nome,";
                $valores .= "$valor','";
            }
        }
        /*
         * utilizamos strlen para contar quantos caracteres existem na string,
         * mas também modificar acessando um de seus caractéres.
         */
        $uc = strlen($campos);
        //no nosso caso modificamos o último caracter que seria "," por " ".
        $campos[$uc - 1] = ' ';
        $uc = strlen($valores);
        $valores[$uc - 1] = ' ';
        $valores[$uc - 2] = ' ';
        //concatenar para formar uma instrução sql para inserir os dados.
        $sql = $sql . $campos . ") VALUES ('" . $valores . ")";
        //instanciando a classe conexão
        $con = new Conexao();
        //conectando ao mysql
        $con->conectar();
        //executando o sql passado
        $con->execSQL($sql);
        //desconectando
        $con->desconectar();
    }

Método para atualizar os dados do banco de dados. Utiliza-se das mesmas instruções php vistas no método inserir. As mudanças ficam a cargo da forma da construção do sql, por exemplo: UPDATE agenda SET nome = ‘joao’, numero = ‘33333333’, dataInclusao = ’11/01/03′, comentario = ‘teste’ WHERE idList=1.O foreach possui uma mudança, agora é verificado se o campo que o loop está retornando não é a chave primária, pois no sql de atualização só é necessário o id na condição WHERE, para isso passei por parâmetro $ch, $id. O resto permanece igual ao método inserir.

Atualizar:

/**
     * FUNCAO PARA ATUALIZAR OS DADOS DO BANCO DE DADOS
     * @param <String> $ch CHAVE PRIMARIA.
     * @param <String> $id ID FORNECIDO, NESSE CASO POR GET.
     */
    public function atualizar($ch, $id) {
        $var = get_object_vars($this);
        //CONSTRUINDO A INSTRUÇÃO SQL
        //UTILIZANDO strtolower PARA DEIXAR TUDO EM MINÚSCULO
        //get_class($this) PEGA A CLASSE ATUAL, QUE FOI INSTANCIADA
        $sql = "UPDATE " . strtolower(get_class($this));
        $sql .= " SET ";
        foreach ($var as $campo => $valor) {
            if ($campo[0] != "_") {
                if ($campo != $this->chavePrimaria()) {
                    $sql .= " $campo = '$valor',";
                }
            }
        }
        $uc = strlen($sql);
        $sql[$uc - 1] = ' ';
        $sql .= "WHERE $ch=$id";
        //instanciando a classe conexão
        $con = new Conexao();
        //conectando ao mysql
        $con->conectar();
        //executando o sql passado
        $con->execSQL($sql);
        //desconectando
        $con->desconectar();
    }

Função deletar é a mais simples, só é necessário passar o id e o valor do id por parâmetro para o sql e deletar, as instruções php também já foram explicados.

Deletar:

/**
     * DELETAR OS DADOS DO BANCO DE DADOS
     * @param <String> $ch CHAVE PRIMARIA.
     * @param <String> $id ID FORNECIDO, NESSE CASO POR GET.
     */
    public function deletar($ch, $id) {
        //CONSTRUINDO A INSTRUÇÃO SQL
        //UTILIZANDO strtolower PARA DEIXAR TUDO EM MINÚSCULO
        //get_class($this) PEGA A CLASSE ATUAL, QUE FOI INSTANCIADA
        // A CONDIÇÃO PARA QUE OCORRA UMA EXCLUSÃO É QUE $ch = '$id', CHAVE PRIMÁRIA
        // IGUAL AO ID RECEBIDO POR GET.
        $sql = "DELETE FROM " . strtolower(get_class($this)) . " WHERE $ch = '$id'";
        //instanciando a classe conexão
        $con = new Conexao();
        //conectando ao mysql
        $con->conectar();
        //executando o sql passado
        $con->execSQL($sql);
        //desconectando
        $con->desconectar();
    }

Agora todo o código fonte:

<?php

/*
 * ******************************************************************************
 *    JBWEBMASTER - CLASSE MODELO PARA MANIPULAÇÃO COM O BANCO DE DADOS        *
 *                AUTOR: JOAO BATISTA DANTAS BEZERRA JUNIOR                    *
 *                E-MAIL: jbtrab@gmail.com                                     *
 *                        DATA: 18/12/2010                                     *
 * *****************************************************************************
 */

include_once("Conexao.class.php");

abstract class Modelo extends Conexao {

    /**
     * FUNCAO USADA PARA RETORNAR A CHAVE PRIMARIA DA TABELA.
     * @return UMA STRING COM O ATRIBUTO CHAVE PRIMARIA.
     */
    public function chavePrimaria() {
        $c = 0;
        //vai pegar nomes e conteudos das propriedades dos objetos
        $var = get_object_vars($this);
        foreach ($var as $nome => $valor) {
            //SE A PRIMEIRA POSICAO FOR UM ANDERLINE E
            // O $c ESTIVER NA PRIMEIRA POSIÇÃO (ZERO) ENTÃO É UMA CHAVE PRIMARIA
            if ($nome[0] == "_") {
                if ($c == 0) {
                    $cp = $nome;
                }
            }
            $c++;
        }
        return $cp;
    }

    /**
     * FUNCAO PARA INSERIR OS DADOS NO BANCO DE DADOS
     */
    public function inserir() {

        $var = get_object_vars($this);
        //CONSTRUINDO A INSTRUÇÃO SQL
        //UTILIZANDO strtolower PARA DEIXAR TUDO EM MINÚSCULO
        //get_class($this) PEGA A CLASSE ATUAL, QUE FOI INSTANCIADA
        $sql = "INSERT INTO " . strtolower(get_class($this)) . " (";
        foreach ($var as $nome => $valor) {
            //VERIFICANDO SE É CHAVE PRIMÁRIA - $nome[0] != "_" - CASO NÃO
            //CONTINUA A CONCATENAR OS $campos .= "$nome,"; E $valores .= "$valor','";
            if ($nome[0] != "_") {
                $campos .= "$nome,";
                $valores .= "$valor','";
            }
        }
        /*
         * utilizamos strlen para contar quantos caracteres existem na string,
         * mas também modificar acessando um de seus caractéres.
         */
        $uc = strlen($campos);
        //no nosso caso modificamos o último caracter que seria "," por " ".
        $campos[$uc - 1] = ' ';
        $uc = strlen($valores);
        $valores[$uc - 1] = ' ';
        $valores[$uc - 2] = ' ';
        //concatenar para formar uma instrução sql para inserir os dados.
        $sql = $sql . $campos . ") VALUES ('" . $valores . ")";
        //instanciando a classe conexão
        $con = new Conexao();
        //conectando ao mysql
        $con->conectar();
        //executando o sql passado
        $con->execSQL($sql);
        //desconectando
        $con->desconectar();
    }

    /**
     * FUNCAO PARA ATUALIZAR OS DADOS DO BANCO DE DADOS
     * @param <String> $ch CHAVE PRIMARIA.
     * @param <String> $id ID FORNECIDO, NESSE CASO POR GET.
     */
    public function atualizar($ch, $id) {
        $var = get_object_vars($this);
        //CONSTRUINDO A INSTRUÇÃO SQL
        //UTILIZANDO strtolower PARA DEIXAR TUDO EM MINÚSCULO
        //get_class($this) PEGA A CLASSE ATUAL, QUE FOI INSTANCIADA
        $sql = "UPDATE " . strtolower(get_class($this));
        $sql .= " SET ";
        foreach ($var as $campo => $valor) {
            if ($campo[0] != "_") {
                if ($campo != $this->chavePrimaria()) {
                    $sql .= " $campo = '$valor',";
                }
            }
        }
        $uc = strlen($sql);
        $sql[$uc - 1] = ' ';
        $sql .= "WHERE $ch=$id";
        //instanciando a classe conexão
        $con = new Conexao();
        //conectando ao mysql
        $con->conectar();
        //executando o sql passado
        $con->execSQL($sql);
        //desconectando
        $con->desconectar();
    }

    /**
     * DELETAR OS DADOS DO BANCO DE DADOS
     * @param <String> $ch CHAVE PRIMARIA.
     * @param <String> $id ID FORNECIDO, NESSE CASO POR GET.
     */
    public function deletar($ch, $id) {
        //CONSTRUINDO A INSTRUÇÃO SQL
        //UTILIZANDO strtolower PARA DEIXAR TUDO EM MINÚSCULO
        //get_class($this) PEGA A CLASSE ATUAL, QUE FOI INSTANCIADA
        // A CONDIÇÃO PARA QUE OCORRA UMA EXCLUSÃO É QUE $ch = '$id', CHAVE PRIMÁRIA
        // IGUAL AO ID RECEBIDO POR GET.
        $sql = "DELETE FROM " . strtolower(get_class($this)) . " WHERE $ch = '$id'";
        //instanciando a classe conexão
        $con = new Conexao();
        //conectando ao mysql
        $con->conectar();
        //executando o sql passado
        $con->execSQL($sql);
        //desconectando
        $con->desconectar();
    }

}

?>

Posts seguintes:

  • Criação do banco de dados no phpmyadmin.
  • Formulário da Agenda.
  • Script usando os métodos inserir, deletar e atualizar os dados.

Até a próxima e só pra empolgar uma imagem do formulário:

 

Imagem do formulário da agenda de contatos

Espero que tenham gostado e boa sorte!

 

Passo a Passo da instalação do GLPI, além de sua descrição.


JBWEBMASTER – Apresentação e instalação do GLPI.

Olá pessoal, nesse tutorial irei explicar o que é, para que serve, instalação e demonstração do GLPI, usando a teoria através de pesquisas e um passo a passo através de um tutorial de instalação. Para facilitar o apredizado as informações foram divididas  por etapas, como:

  1. O QUE É HELP DESK?
  2. O QUE É ACORDO DE NÍVEL DE SERVIÇO?
  3. O QUE É GLPI?
  4. APRESENTAÇÃO DA FERRAMENTA E SUA INSTALAÇÃO

O QUE É HELP DESK?

Help Desk é uma ferramenta usada para solicitação de melhoria ou correção de máquinas ou serviços, designando o serviço de apoio aos usuários para suporte e resolução de problemas técnicos nas diversas áreas da TIC, sendo que este apoio pode ser tanto dentro de uma empresa, quanto externamente.

O QUE É ACORDO DE NÍVEL DE SERVIÇO?

Um acordo de nível de serviço é a parte de contrato de serviços entre duas ou mais entidades no qual o nível da prestação de serviço é definido formalmente, sendo que na prática, o termo é usado no contexto de tempo de entregas de um serviço ou de um desempenho específico.

O QUE É GLPI?

GLPI é uma aplicação livre, distribuído sob a licença GPL para a gestão de parques de computador e helpdesk. Escrito em PHP, é composto de um conjunto de serviços web, para identificar e gerenciar todos os componentes do hardware e dos softwares, otimizando o trabalho dos profissionais de TIC. Oferece um sistema de atendimento a solicitações de usuário integrado com uma ferramenta de inventário, dessa forma podendo haver uma integração com o OCS Inventory, o destaque fica para o suporte a 22 idiomas e análise de TCO do inventario.

APRESENTAÇÃO DA FERRAMENTA E SUA INSTALAÇÃO

Requisitos importantes para a instalação do GLPI são:

  • XAMPP
  • PHP
  • MYSQL

Os principais recursos da aplicação se articulam em torno dos seguintes eixos:

  • Inventário dos computadores, periféricos, rede, impressoras e produtos afins.
  • Gestão de licenças (adquiridas, a serem adquiridas, sites, OEM..) e datas de expiração.
  • Indicação do hardware por área geográfica (sala, piso…).
  • Gestão das informações comerciais e financeiras (compra, garantia e extensão, amortização).
  • Gestão do estado do hardware.
  • Gestão dos pedidos de intervenção para todos os tipos de hardware do inventário.
  • Interface do usuário final para pedido de intervenção.
  • Gestão das empresas, contratos, documentos ligados aos elementos dos inventários…
  • Reserva de equipamentos.
  • Gestão de um sistema de base de conhecimentos hierárquicos (FAQ), gestão de um FAQ público.
  • Criação de relatórios sobre o hardware, dos relatórios da rede, dos relatórios sobre as intervenções.

No ultimo tópico mostrarei a integração do GLPI e o OCS Inventory NG, sendo uma solução muito valiosa para a automatização de funções.

Para poder instalar o GLPI deve instalar o XAMPP, que é um servidor independente de plataforma, um software livre, que consiste principalmente na base de dados MYSQL, o servidor web Apache e os interpretadores para linguagens de script: PHP e Perl, ou pode instalar outro a sua escolha.

Para começar faça o download do GLPI que deverá estar em arquivo zip, então extraia no htdocs do xampp ou se estiver com outro servidor talvez seja a pasta www. Feito isso vamos no navegador digitamos localhost/glpi e começamos a instalação.

  • Escolha da LÍngua de sua preferência para seguir com a instalação do GLPI.
FIGURA 1 – INICIANDO A INSTALAÇÃO DO GLPI, SELECIONANDO A LÍNGUA.
FIGURA 2 - TERMOS DA LICENÇA.
FIGURA 3 - AVANÇAR PARA INSTALAR O GLPI.
  • Nesse passo da instalação, foi verificada uma quantidade insuficiente de memória alocada 32MB, visto que o mínimo é de 64MB.  Abaixo segue as instruções de como resolver.
FIGURA 4 - CHECANDO A COMPATIBILIDADE DO SEU AMBIENTE E VERIFICANDO QUE POSSUI UMA QUANTIDADE BAIXA DE MEMÓRIA.

Para mudar isso,  primeiro você deve descobrir qual php.ini o seu GLPI está usando, pois verifiquei que possui alguns na pasta xampp\php outro na pasta xampp\apache\bin, no meu caso e talvez seja o seu, está no caminho c:\xampp\apache\bin\php.ini, que descobrir quando verifiquei no meu navegador que o GLPI estava usando um arquivo PHP chamado install.php que fica em glpi/install/install.php, dessa forma abrir o arquivo pesquisei por php.ini e encontrei o caminho já passado anteriormente.

Encontrado o php.ini agora pesquise dentro do arquivo por memory_limit, lá deve está com 32MB ou um outro, altere para 64MB salve o arquivo e restart (reinicie) o seu apache, depois isso vá na página e aperte no botão tentar novamente ou similar que vai está no final da página. Seguindo esses passos deve resolver o problema ficando assim:

FIGURA 5 - COMPATIBILIDADE VERIFICADA COM SUCESSO.

Configurando o banco de dados MYSQL, aqui como é local mesmo, coloquei o servidor como localhost, usuário root, e senha “sem senha”.

 

FIGURA 6 - CONFIGURAÇÃO COM O BANCO DE DADOS.
FIGURA 7 - INICINADO A BASE DE DADOS.

Usuários e senhas usadas em diversos níveis de acesso são:

glpi/glpi – administrador.
tech/tech para usuário técnico.
Normal/normal para usuário conta simples.

E com isso termina a instalação. Usando usuário e a senha glpi, logando como adminstrador.

Tela inicial do GLPI:

FIGURA 8 - TELA INICIAL DO GLPI.

Espero que gostem e que tenha ajudado.

Valeu até apróxima!

Linguagem PHP: 1ªParte (Conexão com o Banco de Dados) – Criando uma Agenda de Contatos.


Criando uma Agenda de Contatos – Conexão com o banco de dados MySql.

Jbwebmaster – João Batista Dantas Bezerra Júnior

Olá pessoal, esse tutorial veio a pedido de um amigo da área, e tem como objetivo mostrar como construir e configurar uma conexão como o banco de dados MySql e suas principais funções para inserir, alterar e deletar, além de funções para contar a  quantidade dos dados, listar e executar os dados. Para mostrar essas funcionalidades desenvolvi um agenda eletrônica, nela você poderá inicialmente inserir, alterar, deletar, ver os dados já cadastrados, porém fica o desafio para quem estiver afim de aumentar seus conhecimentos, que é fazer gerar o relatório em PDF dos dados cadastrados, para isso você poderá tomar como base o post: Gerar um documento em PDF usando a biblioteca FPDF 2ª Parte, explicarei mais no final desse tutorial. Perceberá que em alguns casos usei o método GET e vou mostrar como mascarar esses dados que são enviados pelo navegador em minha sequência de post, mas quero que vocês façam essa alteração na agenda para aprender, pois nela não colocarei. Poderão adicionar também um login ao sistema e que dessa forma ficaria perfeito, sendo que para esse tutorial o login não é prioridade, então não foi implementado, porém ao final desse tutorial penso em colocar mais um tutorial falando sobre esse assunto.

Linguagem utilizada PHP e banco de dados MySql. As ferramentas utilizadas foram: O IDE Netbeans 6.9 (Oracle) e servidor web XAMPP (Apache) para testar as páginas. Você pode usar qualquer IDE de sua preferencia, porém vou utilizar o Netbeans por achar bastante completo. Para manipulação do banco de dados você poderá usar qualquer programa disponível no mercado para MySql, aqui vou utilizar o phpmyadmin, que já vem no xampp.

Agora vamos dar inicio ao tutorial de criação de uma agenda web. Abra o Netbeans e crie um novo projeto (pasta), dentro desse projeto crie 5 (cinco) novos diretórios são eles: BancoDados – Cadastro – Classes – Imagens – Manutencao – Utilitarios. A página index.php fica dentro do projeto fora de qualquer diretório. Dentro do diretório Classes, adicione uma nova classe php nomeando-a de Conexao.class.php, no caso de estar usando o Netbeans veja que ele já colocou o nome da classe como Conexaoclass, então retire class e deixe somente Conexao ficando assim:

<?php
/* 
 * To change this template, choose Tools | Templates
 * and open the template in the editor.
 */

/**
 * Description of ConexaoClass
 *
 * @author João Batista
 */
class Conexao {
    //put your code here
}
?>

Feito isso, vamos retire esses comentários e insira os seus, no meu caso coloquei o que essa classe faz, autor, email e a data de sua criação, usando comentários de múltiplas linhas assim:

/*
 *******************************************************************************
 *         JBWEBMASTER - CLASSE PARA CONFIGURAÇÃO DO BANCO DE DADOS            *
 *                AUTOR: JOAO BATISTA DANTAS BEZERRA JUNIOR                    *
 *                E-MAIL: jbtrab@gmail.com                                     *
 *                        DATA: 18/12/2010                                     *
 * *****************************************************************************
 */

Dentro do escopo da classe “{ }”, crie as variáveis: $nomeHost, $user, $pass, $banco, todas do tipo private, então agora passamos para a criação do construtor da classe, que é a função de inicialização de uma classe e é nela onde passamos os parâmetros da classe. Crie public function __construct() { }, dentro dos parênteses adicione os parâmetros $nomeHost=”localhost”, $user=”root”, $pass=””, $banco=”agendatel”, veja que deixei sem senha, se você tiver senha é só adicionar nesse campo.

Entendendo os campos:

$nomeHost – nome da máquina ou computador que possui o servidor HTTP, que no nosso caso é localhost por estar estou usando o Xampp.
$user – nome de usuário, que por padrão é o nome do usuário que é o proprietário do processo do servidor, nosso caso é root.
$pass – a senha, que por padrão a senha vazia.
$banco – nome do banco de dados ao qual vai se conectar.

Agora dentro das chaves relacione a variável ao parâmetro assim:

$this->nomeHost = $nomeHost;

Faça isso para todos os parâmetros e no final o seu construtor deverá estar assim:

public function __construct($nomeHost="localhost", $user="root", $pass="", $banco="agendatel") {
        $this->nomeHost = $nomeHost;
        $this->user = $user;
        $this->pass = $pass;
        $this->banco = $banco;
    }

Construindo a função que realiza a conexão com banco de dados:

Crie uma função conectar(),public function conectar() { }, dentro das chaves insira uma variável chamada $conexao fazendo ela receber o valor da função mysql_connect(“$this->nomeHost”, “$this->user”, “$this->pass”) or die(“<h1 align=\”center\”>Não foi possível conectar ao servidor mySQL!<h1>”);

Note que os parâmetros agora são usados na função de conexão e que esse “or die” serve para matar caso os parâmetros não forem encontrados. Agora usando a condição if (se) verifique se essa variável não está vazia, caso seja verdade a função mysql_select_db() seleciona o banco de dados, caso for falso aparecerá a mensagem: “Não foi possível estabelecer conexão com o banco de dados!”, terminando a função.

Função conetar:

public function conectar() {
        $conexao = mysql_connect("$this->nomeHost", "$this->user", "$this->pass") or die("<h1 align=\"center\">Não foi possível conectar ao servidor mySQL!<h1>");
        if (!empty($conexao)) {
            mysql_select_db("$this->banco") or die("<h1 align=\"center\">Não foi possivel estabelecer conexão com o banco de dados!<h1>");
        }
    }

Feita a função conectar, será preciso desconectar e para isso usamos a função mysql_close(), que serve para fechar a conexão com o MySql.

Função desconectar:

public function desconectar() {
        mysql_close();
    }

Desenvolvendo a função de execução do sql chamada execSql, public function execSQL($sql) { }. Nela deverá passar uma variável por parâmetro, a $sql e criar uma variável chamada $query que receberá a consulta a ser enviada ao MySql através da função mysql_query($sql). Para tratar o erro de sql o “or die” foi colocado indicando um erro na query e mostrando o erro usando a função mysql_error().

Função execSQL:

public function execSQL($sql) {
        $query = @mysql_query($sql) or die
                        ("<b><center>Erro ao Executar o Query: $sql - </b></center><br />" . mysql_error());
        return $query;
    }

Quando executamos um sql, as vezes precisamos listar os dados encontrados, visando esse objetivo, vamos criar uma função chamada listarResultados, public function listarResultados($query) { }, nessa função vamos passar o parâmetro $query, essa variável recebe o que foi retornado pela função execSQL. Usando a função mysql_fetch_assoc, que retorna uma matriz associativa que corresponde a linha obtida, listamos os dados da instrução sql passada.

Função listarResultados:

public function listarResultados($query) {
        //obtém um linha do resultado como uma matriz associativa.
        $lista = @mysql_fetch_assoc($query);
        return $lista;
    }

Agora para finalizar nossa classe Conexão criaremos a função contar a quantidade dos dados chamada contarDados, protected function contarDados($query) { }, como na listarResultados, o contarDados possui o parâmetro $query, sendo usado na função mysql_num_rows($query), que serve para obter o número de linhas em um resultado, no nosso caso o número de linhas do que foi executado na função execSQL.

Função contarDados:

protected function contarDados($query) {
        //Obtém o número de linhas em um resultado
        $totalReg = mysql_num_rows($query);
        return $totalReg;
    }

Para finalizar esse post e a 1ª parte deste tutorial, o código completo da classe conexão devidamente comentado.

<?php

/*
 *******************************************************************************
 *         JBWEBMASTER - CLASSE PARA CONFIGURAÇÃO DO BANCO DE DADOS            *
 *                AUTOR: JOAO BATISTA DANTAS BEZERRA JUNIOR                    *
 *                E-MAIL: jbtrab@gmail.com                                     *
 *                        DATA: 18/12/2010                                     *
 * *****************************************************************************
 */

//CLASSE DE CONFIGURACAO DA CONEXAO
class Conexao {

    //NOME DO HOST
    private $nomeHost;
    //NOME DO USUÁRIO
    private $user;
    //SENHA DO USUÁRIO
    private $pass;
    //NOME DO BANCO DE DADOS
    private $banco;

    /**
     * Parâmetros para poder se conectar ao banco de dados.
     * @param <Sting> $nomeHost Nome da máquina ou computador que possui o servidor HTTP.
     * @param <Sting> $user O nome de usuário, que por padrão é o nome do usuário que é o proprietário do processo do servidor.
     * @param <Sting> $pass A senha, que por padrão a senha vazia.
     * @param <Sting> $banco Nome do banco de dados ao qual vai se conectar.
     */
    public function __construct($nomeHost="localhost", $user="root", $pass="", $banco="agendatel") {
        $this->nomeHost = $nomeHost;
        $this->user = $user;
        $this->pass = $pass;
        $this->banco = $banco;
    }

    /**
     * FUNCAO QUE REALIZA A CONEXAO COM BANCO DE DADOS.
     * Utilizando a função mysql_connect(), que Abre uma conexão com um servidor MySQL.
     * Depois verifica se a conexão nao está vazia ou null, caso seja verdade seleciona
     * o banco usando a funcao mysql_select_db() ou no caso de falso aparecerá a mensagem:
     * Não foi possivel estabelecer conexão com o banco de dados! e mata a função.
     */
    public function conectar() {
        $conexao = mysql_connect("$this->nomeHost", "$this->user", "$this->pass") or die("<h1 align=\"center\">Não foi possível conectar ao servidor mySQL!<h1>");
        if (!empty($conexao)) {
            mysql_select_db("$this->banco") or die("<h1 align=\"center\">Não foi possivel estabelecer conexão com o banco de dados!<h1>");
        }
    }

    /**
     * FUNÇÃO PARA DESCONECTAR.
     * Usando o mysql_close(), que fecha a conexão MySQL.
     */
    public function desconectar() {
        mysql_close();
    }

    /**
     * metodo utilizando para executar comandos SQL
     * @param <String> $sql Instrução SQL que deve ser passada, para que o método
     * mysql_query($sql)possa enviar uma consulta ao MySQL.
     * @return <String> $query Caso o que foi executado pela função mysql_query($sql) exista,
     * é retornado a instrução solicitada pelo SQL a $qr, se não a instrução de erro aparecerá.
     * A função mysql_error() retorna um texto com a mensagem de erro da operação MYSQL anterior.
     */
    public function execSQL($sql) {
        $query = @mysql_query($sql) or die
                        ("<b><center>Erro ao Executar o Query: $sql - </b></center><br />" . mysql_error());
        return $query;
    }

    /**
     * Método que executa e lista dados do banco de dados.
     * PARA FUNCIONAR DEVERAR TER ANTERIOMENTO USADO A FUNÇÃO EXECSQL.
     * @param <String> $query Variável que recebe o que foi retornado pela função execSQL
     * @return <String> $lista retona o que foi gerado pelo mysql_fetch_assoc($qr) e essa função
     * tem o objetivo de obter um linha do resultado como uma matriz associativa.
     */
    public function listarResultados($query) {
        //obtém um linha do resultado como uma matriz associativa.
        $lista = @mysql_fetch_assoc($query);
        return $lista;
    }

    /**
     * FUNÇÃO QUE RETORNA A QUANTIDADE DE LINHAS QUE TEM NA INSTRUÇÃO SQL QUE FOI
     * EXECUTADA. PARA FUNCIONAR DEVERAR TER ANTERIOMENTO USADO A FUNÇÃO EXECSQL.
     * @param <String> $query Variável que recebe o que foi retornado pela função execSQL
     * @return <String> $totalReg recebe o numero de linhas que executada pela função
     * mysql_num_rows($qr).
     */
    protected function contarDados($query) {
        //Obtém o número de linhas em um resultado
        $totalReg = mysql_num_rows($query);
        return $totalReg;
    }

}
?>

Bem pessoal, espero que tenha ajudado, o próximo post explica como inserir, deletar e alterar no banco de dados MySql, a construção de uma classe modelo.
Estudem e boa sorte!

 

Linguagem PHP: 2ª Parte (Gerando o PDF) – Gerar um documento em PDF usando a biblioteca FPDF.


Olá pessoal, dando início a 2ª parte que é a criação do script PHP para gerar a página em PDF. Vamos utilizar a biblioteca FPDF, uma das mais conhecidas e usadas, para configurar a página PDF. As ferramentas utilizadas foram: O IDE Netbeans 6.9 (Oracle) e servidor web XAMPP (Apache) para testar e rodar as páginas. Hoje, poderíamos dizer que há mais pessoas usando o NetBeans do que qualquer outro IDE, a comunidade está prosperando, melhorando e crescendo de maneira vertiginosa e sempre com grande adesão por parte dos desenvolvedores. O Apache é um servidor web extremamente robusto, configurável e de alto desempenho, é também o mais bem sucedido servidor livre. Use as ferramentas que achar melhor ou tiver domínio.

Gosto de fazer as coisas bem organizadas, então para começar crie um projeto (pasta) com o nome GerarPdf, adicione os arquivos MetasTags, index.php e estilo.css que foram mostrados no post passado, 1ª parte. Nesse tutorial utilizei 3 imagens, são elas:

Baixe as imagens do tutorial aqui

Agora vamos dar início ao script chamado PaginaPdf.php. Precisará baixar a biblioteca FPDF, click aqui para baixar. Abra um arquivo PHP insira os códigos de abertura , insira um comentário breve sobre título, autor, e-mail e data. Para fazer comentário de múltiplas linhas utilize /**/, por exemplo:

/*
 *******************************************************************************
 *     JBWEBMASTER - Gerar um documento em PDF usando a biblioteca FPDF        *
 *                AUTOR: JOAO BATISTA DANTAS BEZERRA JUNIOR                    *
 *                E-MAIL: jbtrab@gmail.com                                     *
 *                        DATA: 28/09/2010                                     *
 * *****************************************************************************
 */

Depois de baixar a biblioteca coloque-a no mesmo projeto (pasta) GerarPdf, como ela está em arquivo zip, extraia para a pasta GerarPdf, agora na página PHP insira a biblioteca usando require ‘BibliotecaFPDF/fpdf.php’; , o require é idêntico ao “include” exceto em caso de falha que irá produzir um nível de erro e irá parar o script. Feito isso defina a fonte, define (‘FPDF_FONTPATH’, ‘BibliotecaFPDF/font/’); , se o arquivo que corresponde à fonte solicitada não existir, o erro “Could not include font metric file” (não foi possível incluir o arquivo de fonte) é DISPARADO, para que isso não ocorra defina o caminho a fonte e não esqueça de colocar a barra no final é obrigatória “/”.

Agora vamos capturar os valores do formulário, declare a variável e faça-a receber o conteúdo de $_POST assim:

//numero do processo
//exemplo do numero do processo 08664-001098/2010-09
$numProcesso = $_POST["numeroProcesso"];

Onde $numProcesso é a variável e numeroProcesso é o correspondente valor de “name” no HTML, mais dois exemplos:

//numero da nota fiscal
$numNotaFiscal = $_POST["notaFiscal"];
//nome da <span class="hiddenGrammarError" pre="da ">empresa
$empresa</span> = $_POST["nomeEmpresa"];

No final disponibilizarei o código completo.

Em seguida instanciamos a classe FPDF chamando seu construtor, $pdf = new FPDF (“P”, “mm”, “A4”); , FPDF é o construtor da classe e permite que seja definido o formato da página P=Retrato ou L= Paisagem, mm = tipo de medida utilizada no casso milímetros e tipo de folha = A4, para outras informações acesse o manual FPDF. Agora definimos as margens com a função SetMargins, define as margens esquerda, superior e direita. Por padrão elas são iguais a 1 cm sendo assim chame este método para alterá-las, $pdf->SetMargins(30, 20, 30); , como a medida está em milímetros então usei 30, 20 e 30. Função SetFont define a fonte que será usada para imprimir os caracteres do texto, é obrigatório chamar esse método ao menos uma vez ou o documento resultante não será válido.  A fonte será mantida de uma página para outra, agora sempre que quiser mudar a fonte chame esse método novamente, dessa forma pode mudar a fonte a qualquer momento. Procure usar as fontes padrão ou adicione uma através do método AddFont(). Definindo a fonte a ser usada, estilo e tamanho $pdf->SetFont(‘arial’, ”, 12);. Agora definimos o assunto $pdf->SetSubject(“Gerar PDF com FPDF”);. $pdf->SetY(“-1”); define a abscissa da posição corrente e se o valor passado for negativo, ele será relativo à margem direita da página.  $pdf->SetX(“10”); move a abscissa atual de volta para margem esquerda e define a ordenada. Se o valor passado for negativo, ele será relativo à margem inferior da página.

Exemplo das funções mencionadas até aqui:

$pdf = new FPDF("P", "mm", "A4");
$pdf->SetMargins(30, 20, 30);
$pdf->SetFont('arial', '', 12);
$pdf->SetTitle("Gerar PDF com FPDF");
$pdf->SetSubject("Gerar PDF com FPDF");
$pdf->SetY("-1");

Construindo o cabeçalho:

Pensando em várias páginas, resolvi fazer o cabeçalho em outra página chamada cabeçalho.php. Outras funções usadas: Image coloca uma imagem na página, $pdf->Image(“brasao.gif”); , função Line, que desenha uma linha entre dois pontos, $pdf->Line(70, 48, 70, 23); e MultiCell, função que permite imprimir um texto com quebras de linha, podendo ser alinhado, centralizado ou justificado, $pdf->MultiCell(90, 5, utf8_decode($textoCabecalho), 0, “L”); , largura 90, altura 5, texto e nesse caso utilizei o utf8_decode() para que fosse interpretado os caracteres e acentos, borda 0 que por padrão já é e alinhado a esquerda “L”. Defini o texto que ficará abaixo da imagem e usei o valor da variável nome da empresa, $textoImg = “BRASÃO da {$empresa}”; e adicionei o texto do cabeçalho:

$textoCabecalho = "DESENVOLVIDO POR \n";
$textoCabecalho .= "João Batista Dantas Bezerra Júnior ";
$textoCabecalho .= "JBWEBMASTER - Analista de Sistemas \n";
$textoCabecalho .= "Documento da {$empresa} \n";
$textoCabecalho .= "Processo n° {$numProcesso}";

OBS: “.=” serve para concatenar, juntando todas essas frases.

Dessa forma, usando as funções mostradas até aqui, o cabeçalho já pode ser feito ficando assim:

Nomeie essa página como: Cabecalho.php

<?php
/* 
 * CABECALHO DA PAGINA
 */

//CONFIGURACAO DA IMAGEM - IMAGEM 1
//posiciona horizontal 37mm da imagem
$pdf->SetX("37");
//gerando a imagem na pagina
$pdf->Image("brasao.gif");
//Definir a fonte e o tamanho 6 para o texto da imagem
$pdf->SetFont('arial', '', 6);
//posiciona horizontal 35mm do texto da imagem
$pdf->SetX("35");
//TEXTO DO IMAGEM
$textoImg = "BRASAO da {$empresa}";
/*
 * imprimir um texto com quebras de linhas
 * a largura 26.
 * a altura foi definida como 5 - dando um expasamento entre as linas,
 * vai depender de quanto vai precisar de espaco entre elas.
 * Para resolver o problema de acentuacao e/ou caracteres que serao
 * usados no pdf e aconselhavel usar utf8_decode() na saida do texto.
 */
$pdf->MultiCell(26, 5, utf8_decode($textoImg), 0, "L");

//TEXTO DO CABECALHO
$textoCabecalho = "DESENVOLVIDO POR \n";
$textoCabecalho .= "João Batista Dantas Bezerra Júnior ";
$textoCabecalho .= "JBWEBMASTER - Analista de Sistemas \n";
$textoCabecalho .= "Documento da {$empresa} \n";
$textoCabecalho .= "Processo nº {$numProcesso}";
//posiciona verticalmente
$pdf->SetY("23");
//posiciona horizontalmente
$pdf->SetX("70");
/*
 * Desenha uma linha entre dois pontos.
 * cordenadas do ponto 1 e 2 para a linha
 */
$pdf->Line(70, 48, 70, 23);
//Definir a fonte e o tamanho 12 para o texto do cabeCalho
$pdf->SetFont('arial', '', 12);
$pdf->MultiCell(90, 5, utf8_decode($textoCabecalho), 0, "L");
?>

Agora insira o cabeçalho na página usando o include ‘Cabecalho.php’;

Bem, mais quatro funções e você será capaz de desenvolver qualquer página em PDF usando a biblioteca FPDF. Função Cell(), AddPage(), Output() e Ln(). A função Cell imprime uma célula (área retangular) com bordas opcionais, cor de fundo e texto. AddPage(), adiciona uma página nova ao documento, função Output() que envia o documento para o destino informado: string, arquivo local ou browser, nesse tutorial escolhemos enviar para o  browser e a função Ln() que realiza uma quebra de linha.

OBS1: Perceba no código fonte final do script que foi chamada a função setFont algumas vezes, isso acontece pelo fato de que quando você define uma fonte para o cabeçalho essa fonte se estende para todo o script então se precisar de um tamanho de fonte menor precisar chama-lo mais uma vez antes de mandar imprimir o texto que quer. Por exemplo:

//Nesse caso foi dado o tamanho 12 para o texto do documento
$pdf->SetFont('arial', '', 12);
//texto principal do documento
// "x .= x" usado para concatenar e tem a mesma funçao que x = x.x
$texto .= "               Juntei ao processo n° $numProcesso a nota fiscal n° $numNotaFiscal da empresa $empresa, e os ";
$texto .= "termos de recebimento provisório e definitivo, passando a compor as folhas ";
$texto .= "de n° $folhas.";
$texto .= "";

OBS2: Veja que já coloquei as variáveis aonde eu queria no texto que quero imprimir, como no caso “processo n° $numProcesso”.

OBS3: Para realizar as quebras de linhas não esqueça de usar o Ln().

OBS4: Usando a função MultiCell, não é necessário quebrar as linhas essa função já faz, ao indicar sua largura com 0 por padrão irá até o limite da margem direita, já a altura precisará ser indicada e vai ser ela a responsável pelo espaçamento entre as linhas do texto.

OBS5: Acesse o Manual FPDF para saber mais sobre as funções mencionadas aqui e outras.

Bom, com toda essa explicação e com os comentários das linhas de código que estão no código fonte, será capaz de entender, construir e aperfeiçoar sua página PDF. O código fonte do script PaginaPdf.php segue abaixo:

Nomeie essa página como: PaginaPdf.php

<?php

/*
 *******************************************************************************
 *     JBWEBMASTER - Gerar um documento em PDF usando a biblioteca FPDF        *
 *                AUTOR: JOAO BATISTA DANTAS BEZERRA JUNIOR                    *
 *                E-MAIL: jbtrab@gmail.com                                     *
 *                        DATA: 28/09/2010                                     *
 * *****************************************************************************
 */


require 'BibliotecaFPDF/fpdf.php';
define('FPDF_FONTPATH', 'BibliotecaFPDF/font/');

/*
 * CONFIGURANDO A PAGINA
 */

//RECEBENDO VALORES DO FORMULARIO:
//numero do processo
//exemplo do numero do processo 08664-001098/2010-09
$numProcesso = $_POST["numeroProcesso"];
//numero da nota fiscal
$numNotaFiscal = $_POST["notaFiscal"];
//nome da empresa
$empresa = $_POST["nomeEmpresa"];
//numero das folhas
$folhas = $_POST["numeroFolhas"];
//Data do documento
$dataDoc = $_POST["dataDoc"];
//Nome do responsavel pelo documento
$responsavelDoc = $_POST["nomeResponsavel"];
//Tipo do responsavel
$tipoResponsavelDoc = $_POST["TipoResponsavel"];
//Matricula do responsavel
$matriculaResponsavel = $_POST["matricula"];

/*
 * construtor da classe, que permite que seja definido o formato da pagina
 * P=Retrato, mm =tipo de medida utilizada no casso milimetros,
 * tipo de folha = A4
 */
$pdf = new FPDF("P", "mm", "A4");
//Define as margens esquerda, superior e direita.
$pdf->SetMargins(30, 20, 30);
//define a fonte a ser usada, estilo e tamanho
$pdf->SetFont('arial', '', 12);
//define o titulo
$pdf->SetTitle("Gerar PDF com FPDF");
//assunto
$pdf->SetSubject("Gerar PDF com FPDF");
// posicao vertical no caso -1.. e o limite da margem
$pdf->SetY("-1");

//inserir o cabecalho da pagina
include 'Cabecalho.php';

//espacamento
$pdf->Ln(30);
//define a fonte a ser usada, estilo e tamanho
//Nesse caso foi dado o tamanho 14 ao ti­tulo do documento
$pdf->SetFont('arial', '', 14);
//variavel que recebe o texto
$titulo = "Gerar um documento em PDF usando a biblioteca FPDF.";
//imprimi o texto em uma celula
$pdf->Cell(0, 10, $titulo, 0, 0, 'C');
//define a fonte a ser usada, estilo e tamanho
//Nesse caso foi dado o tamanho 12 para o texto do documento
$pdf->SetFont('arial', '', 12);

//texto principal do documento
// "x .= x" usado para concatenar e tem a mesma funcao que x = x.x
$texto .= "               Juntei ao processo nº $numProcesso a nota fiscal nº $numNotaFiscal da empresa $empresa, e os ";
$texto .= "termos de recebimento provisório e definitivo, passando a compor as folhas ";
$texto .= "de nº $folhas.";
$texto .= "";

//margens do texto principal
//medidas das margens
$pdf->SetMargins(30, 20, 30);
//posiciona verticalmente 41mm
$pdf->SetY("41");
//posiciona horizontalmente 10mm
$pdf->SetX("10");
//espacamento
$pdf->Ln(70);
/*
 * imprimir um texto com quebras de linhas
 * a largura sendo 0, serao extendidas ate a margem direita da pagina.
 * a altura foi definida como 7 - dando um expacamento entre as linas,
 * vai depender de quanto vai precisar de espaco entre elas.
 * Para resolver o problema de acentuacao e/ou caracteres que serao
 * usados no pdf e aconselhavel usar utf8_decode() na saida do texto.
 */
$pdf->MultiCell(0, 7, utf8_decode($texto));
//espacamento
$pdf->Ln(5);
//data do documento
$textoData = "Em {$dataDoc}.";
/*
 * celular de largura 94, altura 10, texto ja¡ com utf8_decode(), bordas 0,
 * posicionar a direita, texto alinha ao centro
 */
$pdf->Cell(94, 10, $textoData, 0, 0, 'C');
//espacamento
$pdf->Ln(15);
//data do documento
$rodape = "$responsavelDoc\n";
$rodape .= "$tipoResponsavelDoc\n";
$rodape .= "Mat. " . $matriculaResponsavel;
//rodape
//posiciona verticalmente 190mm
$pdf->SetY("190");
//posiciona horizontalmente 60mm
$pdf->SetX("60");
/*
 * imprimir um texto com quebras de linhas
 * a largura de 90.
 * a altura foi definida como 7 - dando um expacamento entre as linas,
 * borda 0 - sem bordas, no caso de nao informar o padrao e 0 (zero)
 * vai depender de quanto vai precisar de espaco entre elas.
 * Para resolver o problema de acentuacao e/ou caracteres que serao
 * usados no pdf e aconselhavel usar utf8_decode() na saida do texto.
 */
$pdf->MultiCell(90, 7, utf8_decode($rodape), 0, "C");

/*
 * IMPRIMIR A SAIDA DO ARQUIVO
 * nome do arquivo
 * I: envia o arquivo diretamente para o browser,
 * Se o plug-in estiver instalado ele serao usado.
 * mais opcoes no final do artigo ou visite o manual fpdf.
 */
$pdf->Output("PaginaPdf", "I");
?>

Com isso termino esse tutorial, espero que tenha ajudado e até a próxima.

Exemplo das funções mencionadas até aqui:

Linguagem PHP: 1ª Parte (Formulário) – Gerar um documento em PDF usando a biblioteca FPDF.


Jbwebmaster – João Batista Dantas Bezerra Júnior

Olá pessoal, hoje vamos aprender como gerar um documento em PDF usando a biblioteca FPDF, uma das mais utilizadas em PHP, será dividido em  2 partes. Na 1ª parte, para ficar mais completo, desenvolvi uma página em PHP + HTML  contendo um formulário que vai ser o responsável por enviar os dados para a outra página em PHP que ficará responsável por gerar o arquivo em PDF no navegador, você também verá que pode optar por: envia para o browser e forçar o download do arquivo e por salvar em um arquivo local. O objetivo é a criação do PDF através de parâmetros fornecidos pelo formulário mostrado nessa 1ª parte, portanto os detalhes ficam a cargo do script PHP que virá na 2ª parte deste artigo. Esse formulário envia os dados pelo método do tipo POST, um formulário simples. Também desenvolvi o CSS dessa página, os códigos seguem abaixo:

MetasTags.php

Metas Tags, que são etiquetas que descrevem o conteúdo do seu site para os buscadores. Poderá baixar o arquivo no link: MetasTags.php. As Metas Tags usadas foram:
– A meta tag (meta http-equiv=”content-language” content=”pt-br”), serve para referenciar a linguagem do conteúdo da página.
– A meta tag (meta http-equiv=”content-type” content=”text/html; charset=UTF-8″), serve para informar o conjunto de caracteres dentro da página.
– A meta tag (meta name=”title” content=”Gerar um documento em PDF usando a biblioteca FPDF.”), informa o título do documento.
– A meta tag (meta name=”author” content=”Joao Batista Dantas Bezerra Junior”), informa o autor da página.
– A meta tag (meta name=”robots” content=”index,follow” ), essa meta tag é muito importante, pois será responsável por dizer se seu site ficará visível nos sites de busca ou não.
– A meta tag (meta name=”generator” content=”NetBeans IDE 6.9” ), informa qual Software foi utilizado para a construção da página. Conheça mais sobre metas tags.
OBS: Perceba que no código fonte existe uma contra barra (\) antes de cada aspa (“), esse é o caracter de controle e serve para escapar as aspas, interpretando como uma string.

Código Fonte:

<?php
echo "  <meta http-equiv=\"Content-Type\" content=\"text/html; charset=utf-8\" />
        <meta http-equiv=\"content-language\" content=\"pt\" />
        <meta name=\"title\" content=\"Gerar um documento em PDF usando a biblioteca FPDF.\" />
        <meta name=\"author\" content=\"Joao Batista Dantas Bezerra Junior\" />
        <meta name=\"robots\" content=\"index,follow\" />
        <meta name=\"generator\" content=\"NetBeans IDE6.9\" />
";
?>

Página index.php

Essa página será responsável por enviar os parâmetros ou dados para a página PHP que gera o PDF, servindo de suporte aqueles que queiram saber como fazer para enviar os dados através do formulário. Poderá baixar o arquivo no link: index.php. Bem, com essa página você poderá usar como base para a sua, não perdendo mais tempo, como já disse anteriormento não entrarei em detalhes na construção do formulário, orientação das DIVs e etc, pois esse não é o objetivo desse post. O HTML já foi validado pela W3C.

Código Fonte:

<!DOCTYPE html PUBLIC "-//W3C//DTD XHTML 1.0 Transitional//EN" "http://www.w3.org/TR/xhtml1/DTD/xhtml1-transitional.dtd">
<html xmlns="http://www.w3.org/1999/xhtml">
    <!--
    *******************************************************************************
    *     JBWEBMASTER - Gerar um documento em PDF usando a biblioteca FPDF        *
    *                AUTOR: JOAO BATISTA DANTAS BEZERRA JUNIOR                    *
    *                E-MAIL: jbtrab@gmail.com                                     *
    *                        DATA: 28/09/2010                                     *
    *******************************************************************************
    -->
    <head>
        <?php include_once 'MetasTags.php'; ?>
        <title>Gerar um documento em PDF usando a biblioteca FPDF.</title>
        <!--ESTILO DA PAGINA FORMULARIO-->
        <link href="estilo.css" rel="stylesheet" type="text/css" />
    </head>
    <body>
        <div class="cabecalho">
            <h2>Gerar um documento em PDF usando a biblioteca FPDF.</h2>
            <div class="contato"><a href="https://jbwebmaster.wordpress.com/" title="Voltar para P&aacute;gina inicial">
                    Natal/RN 2010 - Desenvolvido por: Jo&atilde;o Batista Dantas B. J&uacute;nior - JBWEBMASTER -
                    CONTATO/D&Uacute;VIDAS: jbtrab@gmail.com</a></div>
        </div>
        <div class="central">
            <div class="frmManut">
                <form method="post" action="PaginaPdf.php" name="frmLista" target="blank">

                    <div class="titulo">Documento da Empresa X</div>
                    <div class="colunaUmLinhaUm">
                        <p>
                            <label for="numeroProcesso">N&uacute;mero do Processo:</label>
                            <br />
                            <input type="text" name="numeroProcesso" value="" />
                        </p>
                        <p>
                            <label for="notaFiscal">N&uacute;mero Nota Fiscal:</label>
                            <br />
                            <input type="text" name="notaFiscal" value="" />
                        </p>
                        <p>
                            <label for="nomeEmpresa">Nome da Empresa:</label>
                            <br />
                            <input type="text" class="nomeEmpresa" name="nomeEmpresa" value="" />
                        </p>
                    </div>
                    <div class="colunaDoisLinhaUm">
                        <p>
                            <label for="numeroFolhas">N&uacute;mero das Folhas:</label>
                            <br />
                            <input type="text" name="numeroFolhas" value="" />
                        </p>
                        <p>
                            <label for="dataDoc">Data do Documento:</label>
                            <br />
                            <input type="text" class="dataDoc" name="dataDoc" value="" />
                        </p>
                        <p>
                            <label for="nomeResponsavel">Nome do Respons&aacute;vel:</label>
                            <br />
                            <input type="text" class="nomeResponsavel" name="nomeResponsavel" value="" />
                        </p>
                    </div>
                    <div class="colunaTresLinhaUm">
                        <p>
                            <label for="TipoResponsavel">Tipo do Respons&aacute;vel:</label>
                            <br />
                            <select name="TipoResponsavel">
                                <option>Estagi&aacute;rio</option>
                                <option>Contratado</option>
                            </select>
                        </p>
                        <p>
                            <label for="matricula">Matr&iacute;cula:</label>
                            <br />
                            <input type="text" class="matricula" name="matricula" value="" />
                        </p>
                    </div>
                    <p>
                        <span><input type="submit" value="Gerar o Documento em PDF" name="enviar" /></span>
                    </p>
                </form>
            </div>
        </div>
        <div class="rodape">
           Natal/RN 2010 - Desenvolvido por: Jo&atilde;o Batista Dantas B. J&uacute;nior - JBWEBMASTER - CONTATO/D&Uacute;VIDAS: jbtrab@gmail.com
        </div>
    </body>
</html>

Página estilo.css

Página de estilo responsável por toda configuração da página index.php. Poderá baixar o arquivo no link: estilo.css.

Código Fonte:

@charset "utf-8";
/* 
    Document: CSS 
    Created on: 16/10/2010, 10:44:03
    Author: Joao Batista Dantas B. Júnior
    Contato: jbtrab@gmail.com
*/
* {
    margin:0px;
    padding:0px;
    top:0px;
    left:0px;
    position: relative;
    text-align:center;
}
body{
    background-image:url(fundo.PNG);
    background-color:#C0C0C0;
    background-repeat:repeat;
    background-attachment:fixed;
    padding-top:5px;
    padding-bottom:5px;
    font-weight: bolder;
    color: #000000;
    font: 80% Arial, Helvetica, sans-serif;
}

.cabecalho{
    background-image: url(novoLay2.png);
    background-repeat:repeat-x;
    margin: auto;
    width: 100%;
    height: 140px;
}

.contato{
    font-size: 100%;
    font-family: verdana;
    font-weight: bolder;
    margin-top:6px;
    width: 100%;
    height: auto;
    position: absolute;
    color: white;
}
.contato a:link{
    text-decoration: none;
    color: #000000;
}
.contato a:hover{
    text-decoration: none;
    color: #000099;
}
.contato a:visited{
    text-decoration: none;
    color: #000000;
}
.cabecalho h2{
    font-size: 180%;
    font-family: verdana;
    font-weight: bolder;
    margin-top:50px;
    width: 100%;
    height: auto;
    position: absolute;
    color: white;
}
.central{
    background-color: #C0C0C0;
    padding-top:20px;
    padding-bottom:20px;
    margin: auto;
    margin-top: 50px;
    margin-bottom: 50px;
    width:900px;
    height:auto;
}

/*Formulario de manutencao*/
div.frmManut{
    width:auto;
    height:auto;
    margin:auto;
    font-size: 95%;
    font-weight:bolder;
    text-align:left;
}
div.frmManut .numero{
    width: 100px;
}
div.frmManut form input{
    text-align:left;
    border-left-style:solid;
    border-left-color:gray;
    border-top-style:solid;
    border-top-color:gray;
    text-align:left;
    width: 200px;
}
div.frmManut form select{
    text-align:left;
    border-left-style:solid;
    border-left-color:gray;
    border-top-style:solid;
    border-top-color:gray;
    text-align:left;
    width: 200px;
}
div.frmManut span input{
    padding: 10px;
    margin: auto;
    margin-top: 90px;
    margin-left: 75px;
    background-color:#000099;
    color:white;
    text-align:center;
    font-size:110%;
    font-weight:bolder;
    border-style: outset;
    border-width: 4px;
    border-color: white;
    cursor:pointer;
    width: auto;
}
div.frmManut form p{
    padding-bottom:10px;
    text-align:justify;
}
/*PAGINA UM DO TERMO*/
div.frmManut form .titulo{
    background-color: #ccccaf;
    padding-top: 15px;
    padding-bottom: 15px;
    width: auto;
    height: auto;
    text-align:center;
    font-size: 140%;
    color:#000099;
}
div.frmManut form .colunaUmLinhaUm {
    margin-top: 10px;
    margin-left:75px;
    position:relative;
    width: 250px;
    height: auto;
}
div.frmManut form .colunaDoisLinhaUm {
    margin-top: -131px;
    margin-left:345px;
    position:relative;
    width: 250px;
    height: auto;
}
div.frmManut form .colunaTresLinhaUm {
    margin-top: -133px;
    margin-left:605px;
    position:relative;
    width: 250px;
    height: auto;
}

/************   RODAPE   *************/

div.rodape{
    padding-bottom: 6px;
    padding-top: 6px;
    cursor: text;
    font-weight:bolder;
    margin:auto;
    width: 100%;
    height: auto;
    background-color:#fff34f;

}

Novidade: O3D – Deixando de ser um plugin e se tornando uma biblioteca JavaScript rodando em cima de WebGL


Jbwebmaster – João Batista Dantas Bezerra Júnior

Criada pelo Google , a mais de um ano, para a criação interativa de aplicações 3D que rode em navegador Web ou em uma janela XUL aplicação desktop, o O3D é open source e com ele podem ser criados para uso em qualquer área de aplicação, no entanto, é voltada para jogos, propagandas, os telespectadores modelo 3D, demonstrações de produtos, simulações, aplicações de engenharia, sistemas de controle e monitoramento ou mundos virtuais. O O3D está atualmente em Laboratório de incubação do Google e implantado como plugin experimental no navegador.

Escrito em linguagem C, O3D é visto como a ponte entre o 3D do desktop baseado em aplicativos gráficos de forma acelerada e navegadores da Web em formato HTML, seus defensores afirmam que a criação de um completo mecanismo de gráficos 3D que pode ser baixado e executado através de navegadores web, pode eliminar a necessidade de instalar aplicativos grandes em um computador local. Além disso, o O3D usa um plug-in que permite a arquitetura baseada em 3 desenvolvedores para integrar a funcionalidade personalizada, como efeitos de renderização pré e pós, sistemas de partículas e / ou motores de física. Esse seria o primeiro passo rumo à internet em terceira dimensão, segundo o Google, que deve começar pela criação de games mais realistas na web, substituindo os jogos em Flash, com a ideia de atrair um público de jogadores casuais.

Hoje o projeto O3D está mudando de direção, evoluindo de um plug-in para uma biblioteca JavaScript que roda em cima do WebGL., os usuários e desenvolvedores poderão ainda fazer o download do plug-in O3D e código-fonte  pelo  período um ano, mas que não seja uma versão de manutenção, o Google planeja parar de desenvolver O3D como um plug-in e se concentrar em melhorar WebGL e O3D como biblioteca JavaScript.

A execução de JavaScript O3D está ainda no início, mas você pode encontrar uma cópia dele no site do projeto O3D e ver algumas das amostras O3D WebGL a partir de um navegador. Como falta a alguns navegadores funcionalidades necessárias como o carregamento de comprimidos ativos, nem todas as características de O3D pode ser implementada puramente em JavaScript. Pretende-se trabalhar para dar essa funcionalidade ao navegador, e todas as capacidades necessárias para a entrega de alta qualidade de conteúdo 3D.

Vídeo de demonstração da nova tecnologia:

Para executar o game em browser, o Google utiliza o WebGL, a API do Canvas e elementos de áudio do HTML 5, uma API de armazenamento local e WebSockets para demonstrar as possibilidades das aplicações web para os novos navegadores.

Vídeo de demonstração da nova tecnologia:

Baseado no projeto Jake2, compilado para Javascript usando o Google Web Toolkit (GWT). Jake 2 é uma porta de Java de código fonte original do Quake II, que tem seu código aberto pela id Software.

 

FONTES:

Linguagem Java (SE): Fazer uma pesquisa utilizando JTextField.


Jbwebmaster – João Batista Dantas Bezerra Júnior

Olá pessoal, hoje vou mostrar pra vocês como fazer uma pesquisa utilizando JTextField no NetBeans 6.5. Para isso você deve ter uma classe de conexão com o banco, ter feito a conexão e tudo mais. Vou me deter apenas na classe e no método para pesquisar.

  1. Crie um pacote chamadoMetodos_Importantes” .
  2. Crie uma classe Java vazia com o nomePesquisaPadrao” .
  3. Você deve inserir o nome do pacote – package Metodos_Importantes ;
  4. Agora você precisará importar as seguintes bibliotecas:

import java.sql.SQLException;

import javax.swing.JOptionPane;

import javax.swing.JTextField;

  1. Feito isso, declare como public a classe:

public class PesquisaPadrao{

Não se esqueçam de abrir e fechar o escopo da classe

}

  1. No corpo da classe declare as variáveis:

{(corpo)}

//declarei a variável pesquisar do tipo String e publica

public String pesquisar;

//declarei como public do tipo JTextField

public JTextField tf_opcao_cod, tf_opcao_pesq;

//declarei como public do tipo ConexaoBanco

//lembrar de ter o classe ConexaoBanco no mesmo pacote da PesquisaPadrao ,se não, terá

//que importar o pacote aonde esta a classe.

public ConexaoBanco var_con_banco;

  1. Ainda dento do corpo da classe crie o método escolherPesquisa e passe por parâmetro as seguintes variáveis :

public void escolherPesquisa(String pesq_por, ConexaoBanco var_banco, JTextField tf_op_cod, JTextField tf_op_pesq){

}

7.1 Dessa forma quando chamar o método na seu classe principal, vai precisar apenas digitar os campos correspondentes com o que você declarou na sua classe principal.

7.2 // variável “pesquisar” recebe a variável “pesq_por” ambas do tipo String
pesquisar = pesq_por;
// variável “var_con_banco” recebe a variável “var_banco” ambas do tipo String

var_con_banco = var_banco;

// variável “tf_opcao_cod” recebe a variável “tf_op_cod” ambas do tipo String

tf_opcao_cod = tf_op_cod;

// variável “tf_opcao_pesq” recebe a variável “tf_op_pesq” ambas do tipo String

tf_opcao_pesq = tf_op_pesq;

O meu obj de conexao com o banco, foi no resultset e mandou posicionar no primeiro registro:

var_con_banco.resultset.first();

Declaro uma variável, do tipo String, de nome “igual” que vai receber “nao” inicialmente:

String igual = “nao”;

Em seguida declaro uma variável, do tipo int, de nome “contar_caracter” que vai retonar o tamanho da minha pesquisa. Foi utilizado o método length() e o método getText():

int contar_caracter = tf_opcao_pesq.getText().length();

Apenas vai me retornar quantos caracteres vou ter dentro do meu JTextField “tf_opcao_pesq”, ex: gol tem 3 caracteres .

No while (enquanto), significa que enquanto a variável for igual a “nao” e como é um laço ele vai continuar procurando, mas se não tiver colocamos a mensagem “Não foi possível localizar via digitação! “. Então depois criei uma variável, do tipo String, chamada foi_pesquisado que vai no meu objeto de conexão com o banco, no meu resultset e vai pegar a String de acordo com o parâmetro passado por vocês quando for chamar o método na classe onde vai ser usada. Exemplo se for pesquisar por nome, coloca nome quando instanciar o método :

escolherPesquisa(“nome”, cliente, tf_codigo, tf_pesq);

feito isso, vai para a substring(0, (contar_caracter)), que vai contar de “zero” 0 até contar_caracter (quantidade de caracteres), uma substring procura parte de uma expressão e que é informada por parâmetros, desse forma quando for digitado “J” de João ele vai armazenar na variável foi_pesquisado o que foi digitado:

String foi_pesquisado = var_con_banco.resultset.getString(pesquisar).substring(0, (contar_caracter));

Com isso quando iniciar o IF (se), vou ter de comparar o que foi digitado com o que tenho na minha base de dados – tipo :

if (foi_pesquisado.equals(tf_opcao_pesq.getText()))

Aqui estou procurando saber se a variável foi_pesquisado é igual ao que tem no meu JTextField (tf_opcao_pesq), se for, a variável “igual” recebe “sim” e sai do laço, com isso o meu JTextField “tf_opcao_cod” vai receber o código, podendo assim mostrar os dados num possível método que vocês venham a ter, para mostrar dados:

tf_opcao_cod.setText(var_con_banco.resultset.getString(“codigo”));

Se continua com “nao”, fica no laço ate encontrar – var_con_banco.resultset.next(); – fica indo para o próximo, quando não houver mais, entrar no catch onde mostra a mensagem:

JOptionPane.showMessageDialog(null, “Não foi possível localizar via digitação! “);

Classe completa:

package Metodos_Importantes;
import java.sql.SQLException;
import javax.swing.JOptionPane;
import javax.swing.JTextField;

public class PesquisaPadrao{
//declarei a variável pesquisar do tipo String e publica
public String pesquisar;
//declarei como public do tipo JTextField
public JTextField tf_opcao_cod, tf_opcao_pesq;
//declarei como public do tipo ConexaoBanco
public ConexaoBanco var_con_banco;

public void escolherPesquisa(String pesq_por, ConexaoBanco var_banco,
 JTextField tf_op_cod, JTextField tf_op_pesq){

try{

pesquisar = pesq_por;
var_con_banco = var_banco;
tf_opcao_cod = tf_op_cod;
tf_opcao_pesq = tf_op_pesq;

var_con_banco.resultset.first();

String igual = "nao";
int contar_caracter = tf_opcao_pesq.getText().length();

while (igual == "nao") {
String foi_pesquisado = var_con_banco.resultset.getString(pesquisar).substring(0, (contar_caracter));

if (foi_pesquisado.equals(tf_opcao_pesq.getText())) {
igual = "sim";
} else {
var_con_banco.resultset.next();
}
}
tf_opcao_cod.setText(var_con_banco.resultset.getString("codigo"));

} catch (SQLException erro) {
JOptionPane.showMessageDialog(null, "Não foi possível localizar via digitação! ");
}
}
}
<pre>

Espero que gostem, até a próxima.